O desafio de preparar uma aula começa antes do horário escolar. A separação dos materiais e a criação das atividades é feita com antecedência, levando em consideração os temas que devem ser abordados. Essa organização faz parte do plano de aulas – tarefa conhecida pelos professores.

Professora pesquisando informações para o plano de aulas
Um plano de aulas interativo e participativo pode ser o segredo do sucesso – Foto: iStock/Divulgação/Educa SC

O mecanismo é a garantia de que o tempo será utilizado da melhor forma, entregando aos estudantes conteúdo e aprendizado. Entretanto, preparar o material pode ser um desafio, principalmente quando não existem ferramentas. Confira o texto completo, conheça cinco opções que podem facilitar a sua rotina e saiba como fazer um plano de aulas.

1. Canva

O Canva é um dos programas mais utilizados por conta da facilidade no acesso, opção de layouts prontos e versatilidade da plataforma, já que é possível escolher um modelo disponível ou começar o trabalho do zero. Após selecionar ou criar o padrão, o próximo passo é inserir as informações.

Além das alterações de cores e modelos, existe a opção de incluir imagens que estão no computador. Outra alternativa é o banco de imagens do próprio aplicativo. Com o trabalho finalizado, você pode escolher se salva, envia ou compartilha com outros professores. O acesso pode ser feito na plataforma do Canva ou pelo celular. O aplicativo está disponível na Play Store (Android) ou na App Store (iOS).

2. Google Classroom

Se o intuito é contar com uma ferramenta completa e que possa contribuir com o gerenciamento das turmas, essa opção do Google pode ser uma alternativa. Além do plano de aulas, é possível acompanhar as atividades, observar as notas e enviar arquivos digitais para os alunos.

A plataforma ficou conhecida durante a pandemia pela usabilidade e conexão com as demais soluções do Google, incluindo a agenda e o formulário. Para não misturar os conteúdos, uma opção é separar os grupos, criando um ambiente digital exclusivo. A ferramenta pode ser acessada pelo computador (site) ou no smartphone (download na Play Store e App Store).

3. Padlet

Se o foco é facilitar a organização criando quadros específicos para cada classe, essa é uma opção. As criações podem ser feitas em listas, murais, colunas, grades e até mesmo em linhas do tempo, inserindo fotos, desenhos e textos.

O plano de estudo pode ser estruturado de maneira visual – basta arrastar os ícones para criar o documento. Existe a opção de compartilhar o arquivo final com outros profissionais ou manter o material no modo privado.

O acesso pode ser feito pelo computador ou celular, seja pela plataforma ou aplicativo – disponível na Play Store (Android) e na App Store (iOS).

4. Planboard

Com um calendário interativo para professores, o site é ideal para quem gosta de organizar os temas e aulas por meio de tópicos, facilitando a compreensão dos alunos e a criação do plano de aulas.

O diferencial está no aspecto visual, fator que pode ser uma solução para aqueles que precisam gerenciar diversas turmas que estão em estágios diferentes. Há a opção de importar os dados, modificando as datas e horários. O acesso é online e a interface é em inglês.

5. Evernote

Se você é aquele professor que gosta de fazer anotações durante as aulas, o Evernote funciona como um bloco de notas. Todas as observações ficam salvas na nuvem, facilitando o acesso.

Além dos textos, também é possível utilizar fotos, vídeos, áudios e PDFs, deixando o arquivo interativo e visual. O compartilhamento pode ser feito com qualquer pessoa, basta estar inscrito na plataforma – assim é possível criar arquivos em dupla ou grupos.

Ter um plano de aulas direcionado é a solução para aproveitar o tempo. Assim é mais fácil melhorar o rendimento daquela classe que está com dificuldades para memorizar os conteúdos.

Mão na massa: como fazer um plano de aulas?

Agora que você já sabe quais ferramentas podem ser aliadas na construção do material, o próximo passo é saber inseri-las no plano de aulas. É fato que cada professor pode elaborar o arquivo de determinada forma, mas existem alguns itens que precisam estar inseridos no documento.

Tudo começa com a definição da classe. É importante saber quem são os alunos, qual é a realidade da classe e como os temas podem ser abordados, tornando a aula atrativa. Leve em consideração aspectos que podem impactar diretamente no aprendizado, incluindo o contexto social, econômico e cultural.

A próxima etapa é definir o tema daquela aula – seguindo as diretrizes de ensino e avaliando o que já foi estudado pela turma. Como fazer um plano de aulas pode parecer uma tarefa complicada, entretanto, a prática é o melhor caminho para manter o hábito.

Ter em mente o objetivo que deve ser alcançado também é fundamental, afinal, por mais que a explicação seja importante, as atividades e provas são a comprovação de que cada um foi capaz de compreender o que foi explicado.

É fato de que algumas temáticas podem ser mais extensas. Sendo assim, a opção é dividir o conteúdo, separando os dados e informações em apresentações diferentes. Pense no tempo que o grupo precisa para conferir o conteúdo e os minutos necessários para as atividades.

Aproveite o plano de aulas para mencionar o formato que será utilizado, incluindo redação, apresentação com cartaz ou análise de filmes/músicas/reportagem. Esse também é o momento de escolher como será feita a análise da participação dos alunos. O tema apresentado será discutido em um debate? Os alunos precisam fazer uma apresentação ou todo o conteúdo será abordado em uma avaliação?

Como fazer um plano de aulas é uma dúvida frequente, mas com esses passos o processo pode ser otimizado, facilitando a comunicação com os alunos e a abordagem que será aplicada em sala de aula.