Com o final do ano se aproximando, a implementação do Novo Ensino Médio está perto de virar realidade para 711 escolas estaduais em Santa Catarina. Em 2022, todas as instituições de ensino deverão aplicar o método que tem como objetivo principal auxiliar os estudantes na decisão de qual caminho seguir em seu futuro.

menina estudando
O Novo Ensino Médio chega para trazer o protagonismo estudantil – Foto: Mauricio Vieira/Secom

Leia Mais: Novo Ensino Médio: práticas de multiletramento no campo artístico literário

O Programa Novo Ensino Médio da última terça-feira (5), transmitido nos canais do Educa SC, traz entrevistas e cases da Escola de Educação Básica (EEB) Benjamim Carvalho de Oliveira, de Ipumirim, demonstrando os detalhes do sucesso e desafios da implementação dos componentes curriculares eletivos.

A coordenadora do Novo Ensino Médio na unidade, Márcia Pick, e o professor de Física, Samuel Marques, contam das singularidades da escola e da maneira que encontraram para driblar as dificuldades durante a pandemia da covid-19. Confira!

Educa SC: Você acha que a implantação do Novo Ensino Médio era necessária?

Márcia Pick: Acredito que sim, porque existem índices alarmantes de evasão escolar e avaliações externas que apontam que as notas não progridem, então, algo está errado na estrutura do Ensino Médio que existe hoje.

O Novo Ensino Médio chega para trazer uma nova esperança e projetar um caminho para uma nova educação, em que todos os professores e alunos possam encontrar uma nova perspectiva.

Educa SC: Como tem sido o processo na escola?

Márcia Pick: O Novo Ensino Médio provocou muitas mudanças, desde o reordenamento da estrutura física até a pedagógica. Os professores se encontram em cinco aulas de planejamento para direcionar seu trabalho da melhor forma possível.

Um grande desafio é a questão do trabalho no Ensino Médio, pois nossos alunos já chegam querendo trabalhar e, agora, com o novo currículo com mais horas, eles sentem que perdem essa possibilidade e se frustram. A desistência é um agravante desse programa.

Educa SC: Como a pandemia atrapalha no dia a dia da escola?

Márcia Pick: Nas aulas remotas, o aluno não gosta de ser visualizado, então, você não sabe se ele está ouvindo e acompanhando. Muitas vezes, ele não está presente e, por conta disso, não consegue apresentar resultados e um real aproveitamento da novidade do Novo Ensino Médio.

Educa SC: Como é a interação com outras escolas que ainda não aplicaram o método?

Marcia Pick: Em 2018, aderimos ao programa Ensino Médio Integral em Tempo Integral. A proposta foi excelente, os nossos professores conheceram os projetos de vida, os trabalhos entre as áreas. Então, quando o Novo Ensino Médio chegou, o que mudou foi somente as eletivas, em que eles tiveram que fazer um planejamento para o futuro.

Educa SC: Que aprendizagem os alunos terão com os novos componentes?

Samuel Marques: O principal aprendizado é o desenvolvimento do trabalho em equipe, ética, cidadania e responsabilidades. Todas as atividades apresentadas dependiam de uma responsabilidade muito grande, porque todos tinham que participar do processo.

Educa SC: Como os estudantes vêm recebendo a novidade do Novo Ensino Médio como um todo?

Samuel Marques: Durante o ano passado vivemos um ano bem difícil com a pandemia, a novidade não se apresentou da melhor maneira possível para os estudantes. Mas agora, presencialmente, acredito que melhorou bastante a apresentação da disciplina e eles ficaram muito animados.

Educa SC: Como tem sido sua experiência como professor mediador?

Samuel Marques: A ideia do componente é trabalhar com a questão do protagonismo. Incentivamos que os alunos elaborem seus projetos, tenham suas ideias e o professor entra como mediador, direcionando o estudante para tomar as decisões certas.

Acompanhe a programação

O programa Novo Ensino Médio vai ao ar todas as terças-feiras, a partir das 11h50 da manhã, nos canais do Educa SC. Sintonize de acordo com a sua região:

– Joinville: 8.2 e 8.3

– Blumenau: 10.2 e 10.3

– Itajaí: 7.2 e 7.3

– Florianópolis: 4.2 e 4.3

– Criciúma: 25.2 e 25.3

– Chapecó: 10.2 e 10.3

– Joaçaba: 26.2 e 26.3

– Xanxerê: 3.2 e 3.3

Em televisão fechada é necessário fazer contato com a operadora para liberação do acesso.