Ainda no início do segundo semestre deste ano, Criciúma (e toda Santa Catarina) vibrou junto com Bruna Alexandre, quando a atleta conquistou sua primeira medalha de prata, nesta edição, no tênis de mesa dos Jogos Paralímpicos. Além de contar com a paratleta olímpica, Criciúma tem se mostrado ser um grande polo de atletas promissores e, entre eles, o jovem Gabriel de Oliveira Antunes vem trilhando seu caminho para o sucesso.

Gabriel de Oliveira Antunes participou do Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa, em Joinville, e levou quatro medalhas para casa – Foto: Reprodução/Instagram

Leia mais: Retrospectiva Educa SC: veja as 10 matérias mais lidas do Educa SC

Assim como Bruna, Gabriel também é atleta de tênis de mesa. Com apenas 16 anos já participou de grandes campeonatos ao redor do Brasil, conquistando muitos prêmios ao longo do caminho. Suas mais recentes conquistas ocorreram neste mês de dezembro, entre os dias 4 e 12, quando o criciumense participou do Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa, em Joinville, e levou quatro medalhas para casa. “Fiquei muito feliz, até porque esse era meu objetivo desde o começo do ano”, comenta o atleta.

No ranking das conquistas, Gabriel ficou em 1º lugar no individual paralímpico classe 10, 1º lugar em equipes de clubes paralímpico classe 10, 2º lugar em equipes de clubes juventude olímpico e 3º lugar na seleção paralímpico classe 10.

O atleta nasceu com uma deficiência no braço esquerdo e por isso representa a classe 10 na modalidade, feita para atletas andantes. Mas isso não o impediu de participar também de campeonatos que não eram paralímpicos.

Todas as conquistas do mesatenista são resultados de seus sete anos de trabalho. Ainda criança, Gabriel começou a treinar, inspirado por sua irmã. Os dois irmãos praticavam juntos em uma mesa improvisada feita com duas portas de armário e uma “rede” de tijolos. E logo depois entrou para o Bairro da Juventude, uma instituição filantrópica de Criciúma, onde continuou no tênis de mesa e conheceu os técnicos Alexandre Ghizi e Narita Goulart que o acompanham até hoje.

Ainda cedo, os técnicos viram o potencial de Gabriel e o levaram para a Fundação Municipal de Esportes (FME), que ainda é seu local de treino atual. O atleta treina entre 3 e 5 horas e meia por dia, de segunda a sexta, e também faz parte da equipe de tênis de mesa do Clube Secretária Recreativa Mampituba.

Seu trabalho duro e talento fizeram com que se tornasse o orgulho de seus colegas e professores da Escola de Educação Básica João Frassetto, em Criciúma, que com postagens nas redes sociais compartilham os feitos conquistados pelo jovem e reforçam como estão felizes por ele.

Leia mais: Horta escolar: escola incentiva a alimentação saudável e o desenvolvimento integral dos alunos

Apesar de todos esses momentos bons, o atleta ainda teve que enfrentar outro desafio: Gabriel quase ficou de fora das Paralimpíadas Escolares. O campeonato aconteceu no final de novembro, em São Paulo, e por problemas nas inscrições, apenas 39 dos 117 integrantes da delegação catarinense conseguiram se inscrever corretamente.

Mas esse foi mais um obstáculo superado por Gabriel, uma ação judicial foi aberta e com a decisão do Tribunal de Justiça de Santa Catarina o mesatenista e outros atletas catarinenses conseguiram participar dos jogos. E o final foi ainda mais brilhante: dois ouros foram faturados por Gabriel, um no individual e outro por equipes.

Participando também de campeonatos catarinenses, o paratleta marcou presença na edição da Olimpíada Estudantil de Santa Catarina (Olesc), conquistando a medalha de prata e a 4ª colocação na categoria em equipes e também essa mesma colocação no geral masculino.

Indicado pela FME, Gabriel foi o finalista do Troféu Guga Kuerten de Excelência no Esporte, em 2019, premiação que homenageia atletas, entidades, técnicos e equipes catarinenses que tiveram destaque durante o ano.

Esse ainda é o começo para o jovem atleta, inspirado pelo mesatenista carioca Hugo Calderano, atual 4ª lugar no ranking mundial de tênis de mesa, Gabriel sonha em participar de campeonatos em níveis internacionais. “Meu plano é entrar para a seleção e jogar as Paralímpiadas, e, se Deus quiser, ganhar uma medalha.” conta o paratleta.