Se você está se preparando para prestar o vestibular da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) no próximo mês, já deve saber que a leitura obrigatória faz parte da programação das questões de Literatura Brasileira da prova.

Os livros selecionados para as questões são sempre de autores da literatura nacional – Foto: iStock/Divulgação/Educa SC

Muitos podem pensar que essa é uma parte dispensável e se contentam apenas com resenhas, mas quando você somente conhece uma parte dos livros está correndo risco de acreditar em falsas verdades nas alternativas da prova. Por isso, a leitura completa da obra é essencial para você conseguir resolver as questões sem cair em pegadinhas e conseguir ir bem no vestibular.

Além disso, também é necessário entender em que cenário aquela obra foi feita, então, pesquisar sobre o contexto histórico, social, cultural e estético de cada livro e sobre o autor também é imprescindível para arrasar na prova! Para ajudar nesta reta final, preparamos um resumo de três livros para você conhecer mais sobre as obras.

1. Cemitério dos vivos – Lima Barreto

A obra foi escrita entre 1920 e 1921 quando o autor, Lima Barreto, estava internado no Hospital Nacional de Alienados, no Rio de Janeiro.

O livro é um romance ficcional inacabado, inspirado em relatos do próprio autor sobre sua estadia no hospital, narradas pelo protagonista Vicente Mascarenhas. É uma obra que conta com críticas ao modo de como os pacientes eram tratados pelo sistema manicomial e também as desigualdades sociais e o racismo no Brasil.

Lima Barreto foi um importante autor do Pré-Modernismo e teve como seu primeiro livro o romance “Recordações do Escrivão Isaías Caminha”, em 1909, que tratava sobre temas importantes como o preconceito racial.

A UFSC disponibilizou a versão online da obra e também um podcast com depoimentos de professores e pesquisadores para ajudar na compreensão do livro.

2. De amor e amizade – Clarice Lispector

A obra é uma coletânea de crônicas selecionadas pelo historiador e editor Pedro Karp Vasquez e tem os jovens como o público alvo.

As crônicas escritas por Clarice contam histórias de relacionamentos, tanto de amizade quanto românticas. Os textos da autora refletem a sua maneira incomum de ver o mundo e lidar com o tema abordado, com histórias fictícias e relatos pessoais – até mesmo homenagens aos seus amigos. E, segundo o autor do prefácio do livro, Lispector guia os leitores pela “mistura de observações das miudezas do cotidiano com vastos voos do espírito”.

Clarice Lispector é considerada uma das maiores escritoras do século 20 e passou por diversos gêneros literários, como a dramaturgia, romance e o conto. Seu primeiro livro foi o romance “Perto do coração selvagem”, em 1943.

A UFSC disponibilizou um podcast em que aborda o livro junto a entrevistas com o organizador da obra, professores, jornalistas e autores.

3. Ânsia eterna – Júlia Lopes de Almeida

A obra é uma coletânea de contos que aborda temas como violência, dor e sofrimento com textos diretos e simples no tom de suspense e fantasia. O livro foi publicado em 1903 e, na época, já tratava da perspectiva de gênero, como o silenciamento das experiências das mulheres no Brasil.

Júlia Lopes foi uma das idealizadoras da Academia Brasileira de Letras, sendo a única mulher e, por esse mesmo motivo, não pode ocupar a cadeira na Academia, já que era exclusivamente masculina. Ela é uma das grandes autoras da literatura nacional e lançou seu primeiro livro aos 24 anos, o “Traços e iluminuras”. A autora é relacionada com o realismo e o naturalismo e sua obra mais famosa é “A falência”, de 1901.

A UFSC disponibilizou a versão online da obra e também um podcast com entrevistas de professores, pesquisadores, escritores e a organizadora da última edição do livro com discussão sobre a obra.