A sustentabilidade é o caminho para preservar o planeta para as gerações futuras. Pequenos gestos como separar o lixo orgânico do reciclável são capazes de fazer uma grande diferença. Pensando nisso, a comunidade pedagógica da Escola de Educação Básica (EEB) Engenheiro Annes Gualberto, de São Francisco do Sul, concluiu na última segunda-feira (21) a instalação de um container para coleta seletiva no pátio da unidade, em parceria com uma empresa privada.

O ecoponto chamado “Máquina da Transformação” faz parte um projeto que teve início no ano de 2020 na escola e mobiliza uma série de ações para cuidar do meio ambiente.

Container de reciclagem instalado no pátio da EEB Engenheiro Annes Gualberto, de São Francisco do Sul, em projeto de sustentabilidade
Ecoponto instalado no pátio da EEB Engenheiro Annes Gualberto é aberto à comunidade do bairro Paulas, no município de São Francisco do Sul – Foto: EEB Engenheiro Annes Gualberto/Divulgação/Educa SC

Leia mais: Educação ambiental: escola ensina sobre a Baleia Franca com estudo prático da espécie

Em março do ano passado, a escola recebeu um incentivo de R$ 10 mil do Fundo Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de São Francisco do Sul para desenvolver o projeto que segue os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), listados pela Organização das Nações Unidas (ONU) para erradicar a pobreza, proteger o meio ambiente e o clima e garantir a paz até 2030.

No entanto, por conta da pandemia da Covid-19, as aulas foram suspensas e o projeto precisou ficar parado. Neste ano, com o retorno das atividades presenciais, a iniciativa foi retomada e as ações estão a todo vapor. Além da instalação do ecoponto, a escola, em conjunto com a Renove Resíduos, realizou um treinamento com as pessoas responsáveis pela limpeza da unidade de ensino.

Leia mais: Lixo Zero: a prática que pode transformar completamente o ambiente escolar

De acordo com Vanessa Fonseca, educadora ambiental e coordenadora do projeto, a escola está localizada em um ponto estratégico do bairro Paulas, no município de São Francisco do Sul. Atrás do terreno da unidade fica o Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Pequeno Polegar e ao lado a Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro.

As duas instituições públicas foram convidadas pela escola a integrar o projeto de separação de resíduos e as equipes responsáveis pela limpeza dessas unidades também foram instruídas a fazer o descarte correto do lixo.

“O que antes ia para o aterro sanitário e que não era segregado, hoje vai para um galpão de triagem aqui do município gerando emprego e renda para os envolvidos no projeto”, explica Vanessa.

Comunidade envolvida

O apoio da comunidade às atividades realizadas na EEB Engenheiro Annes Gualberto é fundamental para o andamento do projeto e beneficia a todos, afirma Marcelo Braga, diretor da unidade de ensino.

De acordo com o gestor, todos os itens listados pela ONU nas ODS são importantes para a comunidade do bairro Paulas, formada em sua maioria por famílias de pescadores que dependem do meio ambiente preservado para desenvolver a pesca artesanal como atividade profissional.

Leia mais: Escola de Garopaba oferece aulas de ioga à comunidade escolar.

“A escola é de todos! Toda atividade pedagógica cultural a gente faz questão que a comunidade se envolva. A nossa escola é muito bem cuidada, preservada, não tem depredação, porque a comunidade ajuda”, destaca Marcelo. Para incentivar a reciclagem de resíduos, os portões da escola ficam abertos nos finais de semana para que a população tenha acesso à Máquina da Transformação.

Elenir Urbano de Moraes Maia, mãe das alunas Sofia e Isabeli que estão no primeiro e quinto ano do Ensino Fundamental, respectivamente, conta que os hábitos da família mudaram desde que as filhas começaram a participar do projeto.

Uma das mudanças foi o modo de reciclar o papel. Segundo a mãe das meninas, a pequena Sofia, de apenas 7 anos, trouxe uma explicação muito importante para casa: não se deve amassar o papel antes de reciclar.

“Aqui em casa a gente já fazia a reciclagem, mas mudou muito, elas sempre trazem uma novidade. É muito importante esse projeto, as minhas filhas estão adorando trabalhar com isso” conta.