Há 15 anos, era praticamente impossível pensar em um mundo tão globalizado digitalmente como temos hoje. Apesar de ter proporcionado grandes avanços na sociedade, a democratização do acesso à internet também trouxe sérios problemas, principalmente por adolescentes e jovens no Brasil. O Programa Cidadão Digital chega como uma alternativa à desinformação dentro das redes.

Programa Cidadão Digital
Programa Cidadão Digital integra jovens de todo o brasil – Foto: Arquivo Cidadão Digital/Divulgação/EducaSC

Com a proposta de ensinar os alunos a responsabilidade no uso da internet, a iniciativa busca ir além do acesso à tecnologia, ensinando os direitos e deveres dentro do ambiente digital que precisam ser seguidos, assim como em qualquer lugar público frequentado.

Leia mais: Bolsa Estudante: conheça a novidade do auxílio financeiro estudantil de SC

O projeto é uma parceria da SaferNetBrasil e do Facebook e já impactou mais de 97 mil adolescentes e 61 mil educadores desde sua primeira edição, em 2020. Uma dessas pessoas foi Maisa Zoz Ludwig, 15, aluna da Escola de Educação Fundamental (EEF) Linha Pitangueira, localizada no Extremo Oeste de Santa Catarina.

“Foi e vem sendo uma experiência incrível, porque nos faz perceber a dimensão do meio digital, assim como aprendemos a utilizar a internet com respeito e plena consciência de sua magnitude. No programa concluímos maneiras de ajudar outras pessoas nesse meio, o que é algo muito importante”, conta.

O Programa Cidadão Digital é desenvolvido em todo o Brasil por 14 jovens embaixadores que possuem entre 18 a 24 anos e transformam o conhecimento adquirido no curso profissionalizante, oferecido pela SaferNetBrasil, em conscientização digital na abordagem de temas como a privacidade nas redes, respeito e empatia para com os outros e desenvolvimento de relacionamentos saudáveis.

A experiência de poder compartilhar informações que impactam positivamente o futuro de milhares de jovens pelo Brasil foi muito importante para Isabela Ferro. Ela foi embaixadora em Santa Catarina em 2020 e hoje é mentora dos novos jovens que seguem seus passos do ano passado.

“Para além dos números, o impacto na vida do embaixador que tem contato com a sala de aula é profunda. A vida das crianças, adolescentes, escolas e comunidades que estão recebendo as atividades também muda completamente, pois construímos juntos um ambiente digital mais positivo, seguro, com a possibilidade de tirar o melhor que a internet tem a nos oferecer.”, relata Isabela.

A jovem embaixadora chama atenção, também, para um aspecto da tecnologia que muitas vezes é esquecido. “Não cabe mais enxergar a internet como um universo paralelo, ela se encontra em nosso dia a dia. Todas as violências que passamos na sociedade são multiplicadas no universo on-line com mais dimensão e mais força.”

Leia mais: Educação empreendedora: 5 dicas para aplicar na escola

Kiria Amanda Werle Spies, 16, participou do Programa Cidadão Digital quando era estudante da EEB Madre Benvenuta, em São João do Oeste, e viu a possibilidade de exercer com mais responsabilidade os caminhos dentro das redes sociais, enxergando os colegas da escola onde estuda com mais humanidade.

“Uma grande porcentagem dos adolescentes no Brasil fazem o uso das tecnologias digitais diariamente sem ter a noção do impacto dos nossos atos na vida das outras pessoas. O programa possibilitou me colocar no lugar de meus colegas, fazendo eu pensar duas vezes antes de comentar algo que poderia ser considerado impróprio. Dessa forma, uso os aplicativos de forma responsável e ajudando meus amigos nos processos que eles passam.”

Nos últimos anos, a realidade brasileira mudou, passamos a viver com o perigo das fakenews, desinformação e ataques cibernéticos. O Programa Cidadão Digital é um ponto de esperança para o futuro, colocando na mente dos alunos não só o senso crítico para tais situações, mas o hábito do questionamento.

“Foram belas lições que nos ensinaram. Uma delas foi proteger nossas redes sociais, sabendo identificar informações falsas e preservar nossa privacidade. Aprendemos a importância do respeito e isso está sendo refletido no comportamento dos estudantes. É notável o aumento do respeito e da empatia dentro do ambiente escolar.”, conta Maisa, esperançosa para os próximos passos do Programa Cidadão Digital em sua escola.

Leia mais: Qual faculdade fazer? Conheça 9 universidades públicas e privadas de SC

Kiria e Maisa, apesar de não se conhecerem, concordam com o ponto de que o programa é profundamente necessário para a formação de jovens no Brasil e esperam que a inciativa chegue a mais estudantes para que, assim como elas, o futuro dentro dos meios digitais possa ser impactado para sempre.

“Estes eventos relacionados à cidadania digital são indispensáveis nos dias atuais. Levando em consideração que cada vez mais a internet vem sendo utilizada e suas ferramentas são usadas de diversas maneiras. Portanto, ter conhecimento sobre as consequências de nossas atitudes, assim como maneiras de nos protegermos na internet e usufruir de tal plataforma com sabedoria, é extremamente fundamental.”, conclui Maisa.