Você entende o que está acontecendo no Brasil? Hoje em dia, tudo o que se escuta na televisão, no jornal ou até mesmo na conversa de pessoas em um ponto de ônibus é sobre o aumento dos preços dos produtos. No acumulado dos últimos 12 meses até setembro, a inflação atingiu a marca de 10,25% pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Inflação
Inflação sobe no Brasil em 2021 – Foto: iStock/ Divulgação/Educa SC

Leia mais: 7 museus para visitar online com os alunos

Mas o que é inflação?

Inflação é o que implica no aumento dos preços de produtos e serviços, diminuindo o poder de compra da população. Ela é calculada a partir de índices de preços. Quando descontrolada, pode causar graves problemas para a economia e as camadas mais desfavorecidas são as mais prejudicadas.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) produz dois dos mais importantes índices de preço: o IPCA, considerado o oficial pelo Governo Federal, e o Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC).

Como chegamos a esta realidade?

A economia brasileira encontra-se em uma situação bastante fragilizada, principalmente por conta da pandemia que teve como consequência a desvalorização da moeda e atividades econômicas prejudicadas, sobretudo em países subdesenvolvidos.

A economista Laura Pacheco explica que, por conta desses fatores, o Brasil não teve defesas contra as altas dos preços internacionais, nem dinamismo econômico para uma “estabilidade inflacionária” na comercialização de produtos internamente.

Além disso, a desvalorização do real em relação ao dólar, especificamente, foi uma das principais causas da alta da inflação.

Precisamos de itens como combustíveis, os quais estão sujeitos ao mercado internacional. O preço do petróleo disparou e o dólar em relação ao real também. Isso impulsiona o preço dos combustíveis e a logística também se torna mais cara, pois dependemos de estradas para o transporte de bens de consumo”, explica.

Apesar de conseguirmos estudar os principais fatores, a economia é algo dinâmico e complexo, nunca há uma causa isolada. Existe sempre um contexto econômico e político que justifica as oscilações dos indicadores.

Histórico inflacionário brasileiro

Ajustes de preço são importantes para a economia e acontecem em todos os países do mundo. Mas para que não haja consequências sociais sobre a população, a inflação deve surgir de forma controlada e previsível. O enxugamento de preços, chamado de deflação, também é tão prejudicial quanto a inflação.

Leia mais: 5 formas para deixar a aula mais interativa com a lousa digital

“No caso do Brasil, há inúmeras causas que justificam essas intensas oscilações ao longo das décadas. Porém, resumidamente, é pelo fato de termos uma economia bastante sensível diante dos preços internacionais e um contexto fiscal (político) complexo e avesso a reformas necessárias que ao longo do tempo se tornam praticamente urgentes”, informa a economista.

Educação financeira na escola

O ensino de educação financeira nas escolas se tornou obrigatório a partir de 2020 por meio de uma decisão do Ministério da Educação (MEC). Desde então, as instituições de ensino devem atender às novas diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Apesar de ser uma conquista para as crianças e adolescentes que irão sair do escola com um conhecimento básico acerca do mundo econômico que vivenciarão futuramente, a decisão do MEC não transforma o letramento financeiro em um componente curricular a ser estudado, Mas, sim, em um dos temas a serem desenvolvidos dentro da disciplina de Matemática.

A economista Laura dá uma dica aos professores na hora de ensinar a garotada sobre inflação. “É o jogo ‘O que consigo comprar?’. Pegue R$100 e compare o preço de uma série de produtos hoje com o seu preço de alguns anos. Dessa forma, os alunos conseguirão ver na prática o impacto do aumento dos preços. É importante mostrar os salários mínimos de cada uma das épocas para uma análise mais honesta”, sugere.