O mundo educacional está em constante evolução. Durante a pandemia do novo coronavírus, escolas tiveram que revolucionar os métodos de ensino para continuar o ensino de uma forma diferente: na casa de cada estudante. Com esta mudança de realidade, as discussões sobre a metodologia Steam ganharam força.

alunos caminhando
A metodologia Steam chega como uma nova forma de tirar os alunos da sala de aula para terem experiências práticas – Foto: Mauricio Vieira / Secom

A sigla Steam significa, em inglês, Science (Ciência), Technology (Tecnologia), Engineering (Engenharia), Arts (Artes), Mathematics (Matemática) e carrega a integração de todas as áreas do conhecimento para que estudantes possam usá-las para solucionar problemas diários de forma inteligente e eficaz.

Leia mais: “Meninas na Ciência”: uma alternativa para combater a desigualdade na profissão

Além de ser uma metodologia interdisciplinar, a metodologia Steam é baseada na execução de projetos com o objetivo de formar cidadãos conscientes, que saibam trabalhar em equipe e que tenham ideias impactantes para um futuro melhor.

Um dos diferenciais da metodologia Steam é colocar a educação artística como uma das peças-chave no desenvolvimento acadêmico, auxiliando os estudantes a terem uma interpretação mais ampla das diferentes realidades e culturas.

Nesse sentido, entende-se artes como uma disciplina que dá luz a temáticas como humanidades, linguagem, arquitetura, literatura, design, animação, fotografia, cultura, cinema, teatro, dança e pintura.

Leia mais: Programa da Defesa Civil promove conscientização ambiental nas escolas

Cinco pilares da metodologia Steam

  1. Investigar: nesta primeira etapa, o professor formula uma pergunta ou um problema que seus alunos precisam resolver, deixando claro como a questão se interliga com as áreas do conhecimento que serão trabalhadas.
  2. Descobrir: a partir do questionamento, os estudantes realizam uma pesquisa ativa de soluções possíveis para a resolução da situação, mostrando indícios favoráveis e desfavoráveis. Nesta fase, o educador pode auxiliar seus alunos em processos que eles possuem dificuldades.
  3. Conectar: nesse momento, a comunidade escolar começa a desenvolver de forma criativa as suas sugestões para a resolução do problema. Para isso, eles podem utilizar de habilidades, pesquisas e conhecimentos que aprenderam no estágio anterior.
  4. Criar: aqui a solução toma vida. É importante que todos os trabalhos sejam apresentados para a turma e em conjunto para compartilhem feedbacks e perspectivas diferentes sobre um mesmo problema.
  5. Refletir: após as discussões sobre diferentes visões e maneiras de se resolver um problema, os alunos têm a chance de refletir sobre onde e como poderiam melhorar, para assim, se necessário, produzir uma solução que irá impactar o futuro de uma melhor forma.

Com essas cinco etapas recorrentes na rotina escolar, os alunos serão capazes de vivenciar o pensamento crítico de uma forma ponderada e interpretativa, além de despertar a criatividade, inventividade, empatia, humanismo e desenvolvimento de habilidades necessárias para o estudante.

5 ideias para aplicar a metodologia Steam na escola

Com atividades rotineiras e que já fazem parte do dia a dia escolar, com pequenas adaptações, é possível envolver a metodologia Steam de forma simples. Veja como em cinco passos:

1.Traga para a sala de aula problemas da vida real

É essencial propor desafios que fazem parte realidade do aluno, no entorno escolar ou familiar, para que aplique os conceitos e propondo soluções que vão impactar no seu dia a dia. Além disso, a prática vai fazer se sentirem motivados a participar ativamente em sua comunidade, buscando respostas para questões que afetam o seu entorno.

2.Feira de Ciências

As Feiras de Ciências são um espaço perfeito para exercer todas as funções da Metodologia Steam, pois envolve todas as matérias do conhecimento em projetos criativos que vão além das quatro paredes de uma sala de aula. Os projetos criam uma noção de responsabilidade nos estudantes, além do pertencimento ao espaço escolar.

3.Transforme teorias em aulas práticas

O “learning by doing”, que é o aprender junto da forma prática em uma tradução mais explicativa do inglês para o português, é um dos princípios da metodologia Steam. Nessa proposta, o professor deve permitir e proporcionar ao aluno meios de testar suas hipóteses com a educação “mão na massa”.

4.Trabalhe com habilidades socioemocionais

Por possibilitar um ambiente integrado, de atividades coletivas e interligadas, a metodologia Steam é um ambiente perfeito para o desenvolvimento de habilidades socioemocionais. A partir de trabalhos em grupo, por exemplo, o estudante pode rever o seu papel social para que haja um fortalecimento da cooperação, empatia e resolução de problemas.

5.Problematize

Os questionamentos são fundamentais para que os estudantes desenvolvam o senso crítico e a formulação de hipóteses. Uma atividade legal para exercitar isso são os debates, em que o aluno pode interagir com seus colegas e encontrar caminhos para a resolução de alguma situação.