Desde o início do ano passado, a pandemia da Covid-19 tem obrigado o mundo inteiro a se reinventar para se adaptar à nova realidade e com as escolas não foi diferente. No Brasil, em março de 2020, as escolas precisaram fechar as portas e encontrar outra forma de atender os estudantes. E aí que surge o ensino híbrido: uma nova metodologia que rompe com o modelo tradicional de ensino.

Menina assistindo aula de matemática no notebook em abordagem conhecida como ensino híbrido
Ensino híbrido une técnicas do ensino on-line e presencial com objetivo de aprimorar conhecimento dos alunos – Foto: iStock/Divulgação/Educa SC

Criticada por muitos especialistas em educação, as aulas expositivas características do ensino tradicional estão ficando para trás. O ensino híbrido, uma nova abordagem que está conquistando cada vez mais espaço nas escolas, tem como objetivo unir recursos do ensino on-line ao presencial.

Leia mais: Como usar a internet com responsabilidade? Conheça o Programa Cidadão Digital

Esse método tem a capacidade de aprimorar o aprendizado dos alunos e chegou para ficar, com várias escolas aderindo ao sistema mesmo após o retorno das atividades presenciais. Confira três principais mudanças e vantagens que o ensino híbrido proporciona.

1. Aulas diversificadas

Na era digital, com avanços tecnológicos ocorrendo o tempo todo, não há mais espaço para um estilo de aula em que os alunos se sentam em frente ao professor e o escutam falar por várias horas, muitas vezes sem prestar atenção.

Esse modelo conhecido como aula expositiva é considerado arcaico por muitos pesquisadores da área da educação e faz com que os estudantes apenas decorem fórmulas, sem desenvolver o pensamento crítico e a habilidade de se expressar.

No ensino híbrido, esse formato é substituído pela sala de aula invertida. Nesse modelo, o professor passa o tema das aulas para os alunos pesquisarem sobre o assunto em casa e levar os questionamentos para a classe em seguida.

Dessa forma, o professor atua como mediador e cumpre a função de tirar dúvidas, enquanto os alunos são os verdadeiros responsáveis pelo próprio processo de aprendizagem.

2. Flexibilidade e liberdade

A ideia principal do ensino híbrido é usar a tecnologia como aliada da educação e proporcionar aos alunos autonomia, flexibilidade e liberdade para que eles sejam protagonistas da própria jornada em busca do conhecimento. Para garantir essas condições, o ensino híbrido utiliza uma técnica chamada rotações por estações.

Nesse esquema, a turma é dividida em dois grupos, enquanto uma parte realiza atividades on-line e a outra tira dúvida com o professor em sala de aula, seguindo um cronograma rotativo.

Dessa forma, com o apoio da tecnologia, os estudantes têm a liberdade para escolher qual é o melhor ambiente para estudar e ainda contam com o apoio do professor para esclarecer possíveis dúvidas.

3. Habilidades socioemocionais

As habilidades socioemocionais são capacidades que envolvem o lado emocional e psicológico dos seres humanos. O ensino híbrido favorece o desenvolvimento dessas competências, pois nessa abordagem os estudantes têm a oportunidade de aprender de uma forma dinâmica e engajadora.

O ensino híbrido promove a interação social entre os alunos e fortalece as relações interpessoais, além de desenvolver habilidades socioemocionais como a empatia, autonomia, autoconfiança, responsabilidade e a capacidade de trabalhar em equipe.

Leia mais: Escola de Urussanga é destaque em prêmio de inovação

Além de contribuir para a formação pessoal dos estudantes, o ensino híbrido ajuda a preparar os alunos para o Novo Ensino Médio, que deverá ser implantando em todas as escolas da rede pública e privada de ensino até o final de 2022.

No Novo Ensino Médio, as habilidades socioemocionais fazem parte da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que inclui essas competências no currículo dos estudantes.