Seja para entreter ou passar uma mensagem, existem inúmeros filmes para sala de aula, com temas que variam entre causas sociais e mudanças de geração ou fase da vida. Com obras reconhecidas no Brasil e no mundo, o Dia do Cinema Nacional pode ser lembrado com as grandes produções que marcaram a história.

Leia mais: O que você sabe sobre o cinema brasileiro?

filmes para sala de aula
Existem diversos filmes para sala de aula que podem contribuir com a formação das crianças e adolescentes – Foto: iStock/Divulgação/Educa SC

Além de ser uma oportunidade para conversar e trocar informações, as sessões na escola podem facilitar o acesso à educação, mostrando para os alunos que é possível aprender por meio da cultura, com recursos sonoros e visuais – algo que vai além daquele modelo baseado no quadro e nas tarefas do cotidiano.

Ainda não sabe quais são os filmes para sala de aula? Então confira o conteúdo completo, conheça a origem da data e veja 5 indicações.

Dia do Cinema Nacional

Desfrutar de alguns minutos na frente da tela e poder assistir artistas e produções que fazem sucesso é um benefício que nem sempre foi acessível – a realidade atual é bem diferente do passado.

E, para homenagear esta paixão, foi criado o Dia do Cinema Nacional, baseado em duas datas: 19 de julho e 5 de novembro. Uma tem ligação com a primeira gravação em solo nacional (1898), enquanto a outra está relacionada com a exibição pública de cinema, no Rio de Janeiro (1896). Confira algumas dicas dos filmes para sala de aula:

1. Lixo Extraordinário

O problema com o lixo não é algo novo, mas as medidas que devem ser adotadas para melhorar a saúde do planeta nunca foram tão necessárias e atuais. Partindo desta discussão, o documentário “Lixo Extraordinário” é o retrato da obra do artista plástico Vik Muniz.

A história tem como cenário o Jardim Gramacho, no Rio de Janeiro, retratando a vida em um dos maiores aterros sanitários. Além de colocar em pauta a vida dos trabalhadores, o enredo discute a produção de lixo e as formas de descarte – fatores que prejudicam o meio ambiente.

2. Pureza

Qual é o preço da liberdade? Uma mãe que parte em busca do filho desaparecido prova que o esforço é grande quando o assunto é encontrar e libertar quem ela mais ama. Motivada pelo desejo de poder rever o jovem, a mulher vai trabalhar em uma fazenda e descobre todas as situações e casos de violação aos direitos humanos.

Cárcere, violência e assassinato são algumas das atividades mais praticadas. O cenário é alterado quando Pureza descobre que o filho está no mesmo lugar e decide pedir a ajuda dos políticos e da sociedade para libertar os trabalhadores. Com um tema importante e atual, o enredo foi baseado em fatos reais.

3. Somos Tão Jovens

O nascimento de uma estrela não acontece todos os dias, por isso, acompanhar a transformação de alguém que decide fazer história pode ser uma maneira inspiradora de promover os filmes para sala de aula. Prova disso é a produção “Somos Tão Jovens”, focado no surgimento de Renato Russo.

Conhecido pelas letras únicas e pela voz sem igual, o jovem de Brasília ganha notoriedade em um momento histórico importante, a partir da década de 80. Por mais que as canções já tenham anos, cada trecho é atual e ainda faz sentido para muitos.

A opção é ideal para compreender melhor a sociedade da época e a relevância da música na construção da sociedade e do indivíduo.

4. Ilha das Flores

O consumismo é o assunto principal da obra. Com o objetivo de conscientizar os estudantes, “Ilha das Flores” é um dos filmes para sala de aula, incentivando o bate-papo sobre ações de cuidado com a natureza.

A escola é o espaço ideal para promover a conversa, colocando em evidência os recursos que podem ser adotados para mudar a realidade. Além da exibição, uma dica é realizar seminários com os participantes, estimulando a troca.

Leia mais: 7 filmes sobre meio ambiente que você precisa assistir

5. AmarElo

Você já parou para pensar no espaço que as pessoas ocupam e como determinados locais podem ser de difícil acesso para o outro? A provocação é o propósito do rapper Emicida, exposta no documentário AmarElo.

Com a apresentação de um show no Theatro Municial, em São Paulo, o artista aproveita o momento para lembrar que todas as construções também são uma idealização dos negros – por mais que os mesmos não sintam-se parte da história.

A escolha do local é proposital, fazendo um convite para que todos, independentemente da raça ou poder aquisitivo, possam conhecer o cartão postal de uma das maiores cidades da América Latina. A discussão é válida, colocando a obra como um dos filmes para sala de aula.

São muitas opções, para gostos e idades diferentes. Agora é só escolher aquele combina com a turma e preparar as atividades!