São muitos os desafios que surgem quando uma menina engravida na adolescência. A preocupação com a criança e o orçamento familiar costumam deixar os pais preocupados, pensando de onde virá o sustento da casa – incluindo as contas fixas e as despesas do bebê.

O orçamento familiar foi pauta em projeto sobre gravidez na adolescência
O Deyverson é filho dos pais fictícios Maria Clara Justino dos Santos e Moisés Júnior de Amorim – Foto: Bárbara Beatriz da Silva Domingos

E os números provam que muitos jovens vivenciam a situação. De acordo com dados do Sistema de Informações de Nascidos Vivos, do Governo Federal, em 2020 foram registradas mais de 380 mil gestações entre os 10 e 19 anos.

Para conscientizar os alunos da terceira série do Ensino Médio da Escola de Educação Básica (EEB) Gregorio Manoel de Bem, em Laguna, a professora da eletiva de educação financeira Bárbara Beatriz da Silva Domingos e o professor de biologia Diego Fagundes criaram o projeto sobre gravidez na adolescência e orçamento familiar, trazendo para o cotidiano alguns desafios que são enfrentados por muitos casais.

Durante os meses de maio e junho, os estudantes tiveram que cuidar dos bebês – representados por um ovo. A preparação começou desde os momentos que antecedem o parto, pensando no enxoval e despesas do neném. “Eles fizeram duplas e cada um tinha um valor de dois mil reais para gastar. Eles tinham que ver as despesas de aluguel, água, luz, internet e comida, tudo de acordo com a cidade que queriam morar”, conta a professora.

Para as alunas Giovanna da Luz e Tasso Laura Fernandes, a atividade foi desafiadora. “Tivemos a perspectiva de como é ser pai/mãe. O mais difícil foi a parte das compras, pois havia um limite. Tivemos que pesquisar em muitos sites sobre preços e qualidade dos produtos”, contam as meninas.

Os pais fictícios Maria Clara Justino dos Santos e Moisés Júnior de Amorim gostaram da tarefa, mas ficaram surpresos com os valores. “Nunca imaginávamos o custo de um recém-nascido. Além de roupas e higiene, também precisávamos ver o custo para a saúde, incluindo remédios e pediatra. Optamos por colocar no orçamento familiar um plano de saúde”, declaram os estudantes.

Além da parte econômica, o tema foi abordado em sala, com a explicação sobre o sistema reprodutor e o funcionamento do corpo humano. Com aulas explicativas, o intuito era que os alunos pudessem aprender sobre o próprio organismo. É com esse conhecimento que os indivíduos podem colocar a proteção em primeiro lugar.

“É importante salientar que uma gravidez indesejada causa transtornos, principalmente na vida dos adolescentes que ainda planejam uma carreira”, menciona o professor Diego Fagundes.

Colocar em pauta o orçamento familiar e as mudanças que acontecem após o nascimento do primeiro filho é uma forma de aproximar os jovens de temas do cotidiano. O resultado da experiência foi um relatório com fotos e informações, expondo os gastos planejados para os primeiros meses de vida.

Números do orçamento familiar no Brasil

O dinheiro gasto por cada família varia de acordo com as necessidades e o poder aquisitivo de cada um. Conforme informações divulgadas na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os brasileiros gastavam, em média, 4.649,03 reais mensais em 2018. Saúde, habitação, educação e transporte foram os vilões dos gastos