Como conquistar o aluno na hora da aprendizagem? Ao longo dos anos, essa questão ganhou novas respostas que evoluíram para a criação de métodos eficazes, beneficiando tanto alunos como também os professores. O protagonismo estudantil, nova aposta dos especialistas, já conquistou espaço dentro de diversas escolas.

Protagonismo Estudantil
Transformar o aluno em agente ativo de sua formação é o que propõe o protagonismo estudantil – Foto: iStock/Divulgação/Educa SC

Colocar os alunos no centro do processo de ensino, como personagem principal de sua história. Esse é o objetivo do protagonismo juvenil. Desta forma, o estudante usa seus conhecimentos para participar de sua comunidade, ultrapassando os muros da escola.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento que orienta as instituições de ensino ao longo do ano letivo, menciona a palavra protagonismo ao menos 50 vezes, em diferentes contextos. Isso reforça a necessidade dessa prática para possibilitar o desenvolvimento do aluno e do professor de forma conjunta.

No método de educação “tradicional, em que o professor é o centro e apenas transmite as informações para os alunos, o espaço para a participação é quase nula, o que distancia o estudante das aplicações dos conceitos na vida real.

Leia mais: Abordagem investigativa: 6 dicas de como trabalhar nas escolas

Conforme a Pirâmide de Aprendizagem, criada pelo psiquiatra William Glasser, quando o aluno cria suas ideias, questiona e elabora projetos dentro de sala de aula, ele tem um aprendizado de 70 a 80%. Em contraposto, quando é passivo no processo, retendo entre 10 e 50% do conteúdo.

Um dos fatores importantes do protagonismo é a multidisciplinaridade. Tendo uma formação integral, em que todos os seus sentidos são estimados, a integração das áreas do conhecimento em prol de resolução de problemas do cotidiano é uma consequência esperada.

Levando esses fatos em consideração, separamos cinco dicas para auxiliar você, professor, a incentivar o protagonismo estudantil dentro da sala de aula. Confira!

1. Não dê respostas prontas

Tirar dúvidas não significa, obrigatoriamente, dar respostas prontas para quem pergunta. Às vezes não tem como, mas busque fugir das respostas imediatas. No lugar delas, proponha desafios que irão exercitar a curiosidade de seus alunos, estimulando-os a pesquisar, buscar informações e pensar de forma crítica.

2. Planeje o dia

Antes de começar a semana, sente com seus alunos e discuta a rotina do dia e a ordem que ocorrerão as atividades. Muitas vezes não tem como mudá-las, mas o ato de compartilhar o planejamento com os estudantes, faz com que a participação deles em sua própria aprendizagem seja muito maior. A autonomia da turma de conseguir transmitir seus pensamentos sobre a sua programação escolar é importante.

3. Faça da sala de aula um ambiente que acolha o erro

Muitos alunos têm medo de cometer erros na frente de seus colegas e professores. Mas o erro faz parte do processo de aprender e é muito importante na experimentação. Para que o aluno seja protagonista, o professor precisa criar um local onde os erros não são só aceitos, mas esperados e bem-vindos.

4. Assembleias/debates

As reuniões de classe são um excelente método de praticar o protagonismo. Nelas, a turma discute maneiras que podem ser melhores em conjunto. Os alunos propõem soluções para problemas enfrentados no dia a dia e vive, posteriormente, a consequência dessas mudanças.

5. Trabalhe com problemas reais

Propor atividades que trabalhem questões que ultrapassam os muros da escola faz com que os alunos não somente tenham mais interesse na aprendizagem, mas também que consigam levar o conhecimento teórico para a prática. Dessa forma, ele exerce o protagonismo em todos os âmbitos de sua vida.