Mesmo 100 anos após seu nascimento, Paulo Freire ainda carrega o legado de ser um dos mais importantes educadores do mundo. Com o objetivo de transformar a realidade dos marginalizados e oprimidos por meio da educação, o professor agiu a favor da liberdade em todos os sentidos da sua vida.

paulo freire
Paulo Freire é conhecido no mundo inteiro por sua vontade de fazer a diferença – Foto: Acervo pessoal Nita Freire/ Divulgação/ Educa SC

Leia mais: Conheça 3 fases da vida de Cruz e Sousa para trabalhar na sala de aula

Conhecido, principalmente, pelo método de alfabetização de adultos que leva seu nome, desenvolveu um pensamento pedagógico político. Político não no sentido partidário, mas, sim, na intenção de levar às pessoas o direito do pensamento livre.

Educação para a liberdade

Paulo Freire acreditava que a função dos professores era conscientizar seus alunos – principalmente os que compunham as classes desfavorecidas – e levá-los a entender sua situação de oprimidos e, assim, agir a favor da própria libertação.

Ao sugerir uma prática de sala de aula que desenvolvesse a criticidade dos estudantes, Freire condenava o ensino oferecido pela ampla maioria das instituições de ensino. Nela, achava que o professor agia com uma superioridade que não deveria ter, apenas depositando conhecimentos em cima dos alunos, sem instigá-los a questionar sobre a realidade do dia a dia.

Ele afirmava que, enquanto a escola tradicional procurava acomodar os alunos ao mundo existente, a educação que defendia tinha a intenção de inquietá-los. “Sua tônica fundamentalmente reside em matar nos educandos a curiosidade, o espírito investigador, a criatividade”, escreveu o educador.

Leia mais: Educação inclusiva: 7 filmes para abordar a inclusão social de pessoas com deficiência

Impacto na prática

Em 1963, em Angicos (RN), já coordenava um programa que alfabetizou 300 pessoas em um mês. No ano seguinte, o golpe militar chegou em Brasília, onde coordenava o Plano Nacional de Alfabetização do presidente João Goulart. Freire passou 70 dias na prisão antes de se exilar.

O principal livro de Freire intitulado “Pedagogia do Oprimido” foi escrito em seu exílio no Chile. Nele defendia como objetivo da escola ensinar o aluno a “ler o mundo” para poder transformá-lo.

O educador ganhou espaço célebre em quase todos os países do mundo, levando a esperança por meio da liberdade de educação e pensamento, apesar de no Brasil não ser muito compreendido.

“Os homens se educam entre si mediados pelo mundo”, dizia. Para Freire, o aluno que chegava a sua porta trazia uma cultura própria que seria fundamental em seu aprendizado. Nenhum estudante seria melhor que seu professor, os dois lados aprenderão juntos. Desta forma, todos possuem a possibilidade de se expressar.

“Trata-se de aprender a ler a realidade (conhecê-la) para em seguida poder reescrever essa realidade (transformá-la)”, expressou o professor. Mais do que tudo, a alfabetização é para ele um meio mais fácil de os desfavorecidos quebrarem o que ele chamou de “cultura do silêncio” e transformar a vida, “como sujeitos da própria história”.