Muitas pessoas acreditam que brincar é uma atividade que remete somente à diversão e que nada tem a ver com a educação, porém, o momento de descontração que a brincadeira proporciona pode desenvolver habilidades socioemocionais e favorecer o processo de aprendizagem, principalmente em crianças pequenas.

Crianças pulando amarelinha
Trabalhar com brincadeiras na escola favorece o aprendizado dos alunos, principalmente na Educação Infantil – Foto: iStock/Divulgação/Educa SC

Veja sete dicas de brincadeiras para trabalhar em sala de aula:

Amarelinha

A amarelinha é um jogo muito antigo e adorado pelas crianças. Desenhar uma amarelinha com giz de cera, no chão do pátio da escola, é uma possibilidade de recreação que pode trazer muitas vantagens para a Educação Infantil.

Pulando amarelinha, as crianças aprendem a ter noção de espaço e exercitam o corpo e a mente. Além disso, a brincadeira ajuda na memorização da sequência numérica.

Jogo da memória

O jogo da memória é um clássico que, como o próprio nome diz, tem como objetivo exercitar a memória de forma lúdica. Formado por peças identificadas por uma figura, vence a partida o jogador que conseguir reunir a maior quantidade de peças idênticas.

O jogo da memória desenvolve a concentração e habilidades cognitivas, principalmente em alunos pequenos, por isso a brincadeira pode ser uma excelente opção para usar em sala de aula.

Brincadeira com massinha de modelar

Muito popular no início dos anos 2000, a massinha de modelar é uma opção divertida para ser usada na brincadeira com crianças. Além de estimular a percepção sensorial através do tato, a brincadeira desenvolve a coordenação motora, a criatividade e a concentração. Ademais, os alunos aprendem a se expressar e se comunicar.

Stop

O jogo Stop, também conhecido como adedonha, é adorado tanto por crianças quanto por adultos. A brincadeira aprimora o vocabulário, além de melhorar a criatividade e a rapidez do raciocínio lógico.

Para jogar é simples: você vai precisar de um lápis e uma folha de papel para desenhar uma tabela. Cada coluna deve representar um tema de sua escolha, pode ser um objeto, alimento, animal, cor, nome ou lugar.

Leia mais: Gamificação na educação: veja como trabalhar essa prática com os alunos

Assim que todos estiverem com as suas tabelas prontas, joga-se o “adedonha” para sortear a letra que direcionará o jogo. Nesse brincadeira, os jogadores devem colocar as mãos para trás e falar “adedonha”.

Em seguida, mostram as mãos e contam os dedos. A quantidade de dedos representa o número que irá determinar uma letra do alfabeto que vai ser indicada para a partida.

Depois que a letra for escolhida, os jogadores devem escrever uma palavra debaixo de cada tema, desde que inicie com a letra sorteada. Quem terminar primeiro de escrever uma palavra em todos os temas, deve gritar “Stop” e todos os outros jogadores param de escrever.

Após, inicia-se a contagem de pontos. A cada palavra certa, o jogador marca 10 pontos. Se alguém escrever uma mesma palavra que outro jogador, marcará apenas cinco pontos. Quem não acertar ou não escrever nada, não tem pontuação. No final, quem fizer mais pontos é o vencedor!

Brincadeira com blocos de montar

Brincar com blocos de montar pode desenvolver a coordenação motora e o raciocínio lógico dos estudantes, isso porque a atividade desperta a criatividade e a concentração das crianças. Você pode utilizar peças de madeira ou lego para brincar com os alunos em sala de aula.

Jogos de Tabuleiro

Os jogos de tabuleiro eram muito populares na década de 80, quando a internet ainda não era um fenômeno mundial e de fácil acesso a todos. Mas esses jogos são muito divertidos e desenvolvem a habilidade cognitiva, além de melhorar a concentração e o raciocínio lógico.

Experimente jogar com seus alunos jogos de tabuleiro como xadrez, damas, gamão, ludo, entre outros.

Teatro

Contar histórias é uma atividade lúdica envolvente que desperta o imaginário dos alunos. Experimente fazer um teatro com os estudantes, você pode criar fantoches ou pode sugerir que cada um seja ator nesta atividade. As duas opções resultam em uma brincadeira muito divertida e educativa.