O Projeto “Abraços Abertos: educação sem fronteiras”, realizado na Escola de Educação Básica (EEB) Professora Maria Amin Ghanem, de Joinville, no Norte do estado, oferece aulas de português e acolhe estudantes imigrantes da Venezuela, Colômbia e Haiti.

alunos imigrantes segurando uma bandeira do Haiti em sala de aula em projeto "Abraços Abertos" da EEB Professora Maria Amin Ghanem, de Joinville
Projeto “Abraços Abertos” teve início em 2018 com alunos imigrantes do Haiti (registro da primeira turma) – Foto: EEB Professora Maria Amin Ghanem/Divulgação/Educa SC

O projeto começou em 2018 e foi desenvolvido, incialmente, na Escola de Educação Básica (EEB) Dr. Jorge Lacerda, de Joinville, pela professora do Magistério, Sandra Felício Roldão, em parceria com a professora Sirlei de Souza, da Universidade da Região de Joinville (Univille).

“Depois de uma palestra da professora Sirlei sobre Imigração e Direitos Humanos, as alunas (do curso de Magistério) relataram a invisibilidade das crianças e adolescentes imigrantes nas escolas em que realizavam os estágios. Resolvemos levantar as mangas e elaborar uma ação, nisso nasceu o projeto “O Haiti é Aqui: Aprendendo Juntos”, explica Sandra.

O projeto visava dar oportunidade às futuras professoras de lecionar português como língua de acolhimento para crianças e adolescentes imigrantes. A iniciativa ocorreu entre 2018 e 2019 e atendeu mais de 40 alunos em cinco escolas públicas de Joinville.

Leia mais: Projeto escolar de Chapecó ajuda na recuperação de pacientes de Covid-19

Professora voluntária realizando atendimento online com aluno imigrante haitiano em projeto escolar "Abraços Abertos", da EEB Professora Maria Amin Ghanem
Com a pandemia da Covid-19, os atendimentos passaram a ser on-line para os alunos imigrantes – Foto: EEB Professora Maria Amin Ghanem/Divulgação Educa SC

Em 2020, com a pandemia da Covid-19, o trabalho das professoras teve de ser reestruturado. “Como não lecionava mais na EEB Dr. Jorge Lacerda, o projeto continuou na EEB Professora Maria Amin Ghanem, onde sou efetiva, e começamos a atender os adolescentes imigrantes via plataforma digital”, conta Sandra.

Por dentro do projeto

O grupo é formado por oito voluntários acadêmicos do Instituto de Ensino Superior Santo Antônio (Inesa) e três professoras. Na EEB Professora Maria Amin Ghanem, o projeto ganhou o nome “Abraços Abertos: educação sem fronteiras” e passou a atender imigrantes da Venezuela e Colômbia, além dos estudantes haitianos. Neste ano, além do atendimento remoto, também realiza atendimento presencial.

A estudante venezuelana Nathalia Javier Bastardo Serrano, 14, frequenta o oitavo ano do Ensino Fundamental e afirma que projeto a ajuda com o idioma e a acolhe. “É muito bom se sentir acolhido, a escola está fazendo muito por nós. Temos aulas de português para melhorar o idioma e as pessoas sempre estão dispostas a ajudar”, conta a jovem.

Leia mais: História de Malala vira conteúdo interdisciplinar com projeto de leitura

Já a aluna colombiana, Geraldine Caicedo Martine, 14, do nono ano do Ensino Fundamental, conta que se sentia insegura por não saber falar português e o projeto a ajudou a recuperar a confiança.

“A princípio, eu me sentia muito diferente porque não falava português. No primeiro ano foi bem difícil para fazer as tarefas e trabalhos, mas graças a tutora Emanuelle foi mais fácil entender. Ter professores pacientes e aprender falando com pessoas que são como eu me ajudou muito”, comenta a estudante.

Para Sandra, educadora responsável pela inciativa, os resultados do projeto são recompensadores. “Nesse processo mais aprendi do que ensinei e, hoje, diariamente, apreendi a acolher esses novos alunos e proporcionar uma educação humanitária de qualidade com equidade”, comemora.